Ouguela (Alentejo, Portugal) em baixo; Alburquerque (Badajoz, Espanha) ao fundo.

sexta-feira, 30 de novembro de 2012

Tanta coisa "inteligente"! E a educação?






Palavras e confusão numa livraria



Da nossa amiga, A livreira anarquista, trazemos aqui uma das "pérolas" que ela ouve de vez em quando. A palavra freguesa é sinónima de cliente, e o masculino é freguês.

Freguesa: Tem aqueles livros de bolso, não sei se ‘tá a ver, uns pequenotes do Fernando Pessoa. Ou “do” Dom Quixote. Ou da Porto Editora ou lá isso. Uns com umas coisas escritas resumidas, mas sem serem resumidas. É a obra completa. Tem?


Nota do Professor. Há uma editora portuguesa chamada Dom Quixote. A freguesa não diz "da", mas "do".



quinta-feira, 29 de novembro de 2012

10000 escudos (1998) - 50 euros (2012)


Eis o que se podia comprar em 1998 com uma nota de 10000 escudos (a antiga moeda portuguesa) e neste ano, 2012, com uma de 50 euros. O valor das notas é igual, mas vê-se a diferença no carrinho, não é?



A figura que aparece na primeira nota é António Egas Moniz (1874-1955), médico, neurologista, investigador, professor, político e escritor português. Foi galardoado com o Nobel de Fisiologia ou Medicina de 1949, partilhado com Walter Rudolf Hess.  




Uma curta-metragem: 'Fusões'


"Esta curta-metragem musical é sobre a fusão da sonoridade tradicional da Guitarra Portuguesa com a inovação da música electrónica presente no projecto M-PeX, mas também é uma homenagem à grande pessoa que influenciou este músico no Fado e na Guitarra Portuguesa, o seu avô guitarrista Luís Pinheiro. O filme rodado em Lagos, tem como fundo o mar, o farol, as gaivotas, os barcos e a nossa costa marítima. Todos eles são elementos pertencentes ao nosso dia-a-dia, à nossa cultura portuguesa, à nossa geografia, ao nosso País e o Fado está relacionado com todos eles. 'Fusões' é sobre o presente e o passado entre duas gerações distintas da Guitarra Portuguesa, é um 'flashback' de memórias a P&B que se conjugam com um presente electrónico musical, tendo como base o Fado. M-PeX e o seu avô apesar de serem de tempos diferentes têm algo em comum...as suas Guitarras cantam com alma..." - 

Pedro Noel da Luz


quarta-feira, 28 de novembro de 2012

O que é uma tigela?


Vimos no livro a palavra tigela. Aqui fica bem claro o que é uma tigela.

As tigelas, diz-nos a Wikipédia, são dos utensílios culinários mais simples e dos mais utilizados na cozinha. Geralmente sem tampa, nem pegas, as tigelas são recipientes de forma aproximadamente hemisférica, de metal, vidro, cerâmica ou plástico, que servem para separar ou misturar os alimentos a cozinhar; também se usam para guardar ou servir à mesa alimentos, saladas ou doces.

(...)

Muitos serviços de jantar incluem tigelas para servir a sopa ou os doces.

Uma tigela com pudim
 Uma tigela de plástico
 Uma tigela de alumínio



Uma tigela de arroz, refeição característica
dos países asiáticos (os talheres, como sabem, são pauzinhos)



Tanta casa sem gente...






sexta-feira, 23 de novembro de 2012

Balança pema (Marisa Monte)


Qual o significado do título. Parece ser o pedido para uma mulher (pema) balançar, sambar, dançar. Estamos no Brasil, alunos e alunas!

A canção foi composta por Jorge Ben Jor mas é cantada aqui ao vivo por Marisa Monte. Gostam da música? E do vídeo? Vamos lá, mais uma vez!


BALANÇA PEMA

Dom Dom Dim!
Dim Dim Dom!
Dom Dom Dim!
Uau! Uau!

Balança a Pema
Balança sem parar
Ah! Ah!
Arrasta a sandália
Arrasta até gastar
Ah! Ah!..(2x)

Quando você sambalança
Sambalança
Meu coração também
Ele sambalança certinho
Juntinho
Com o seu vai e vem
Uau! Uau!..

Balança a Pema
Sacudindo bem
Balança sem parar
Ah! Ah!
Arrasta a sandália
Sacudindo bem
Arrasta até gastar
Ah! Ah!...(2x)

Se você jurar
Me ensinar
Sambalançar assim
Eu lhe darei
Uma sandália de prata
Para você sambalançar
Só prá mim
Uau! Uau!...

Balança a Pema
Balança sem parar
Ah! Ah!
Arrasta a sandália
Arrasta até gastar
Ah! Ah!..(2x)

Dom Dom Dim!
Dim Dim Dom!
Dom Dom Dim!
Uau! Uau!

Arasta até gastar!
Pois quando você sambalança
Sambalança
Meu coração também
Ele sambalança certinho
Juntinho
Com o seu vai e vem
Uau! Uau!..

Balança a Pema
Balança sem parar
Ah! Ah!
Arrasta a sandália
Arrasta até gastar
Ah! Ah!..(2x)

Dom Dom Dim!
Dim Dim Dom!
Dom Dom Dim!
Uau! Uau!



Burrice de alguns que destrói outros


Havia dois ou três dias que Matilde não ia à escola. Estava doente. Dolores foi visitá-la e disse: Vê se amanhã podes ir, a professora disse que iam distribuir sapatos. Matilde, que era muito pobre e andava descalça, fez um esforço e mesmo com febre foi à escola. Ao vê-la entrar a professora disse: Ai hoje vieste? Já te passou a doença? Querias, talvez, uns sapatos e por isso apareces. Pois fica sabendo que não os levas. Matilde voltou para casa muito triste, chorando. Ao vê-la o pai perguntou-lhe o que se passava. Ela contou. Furioso o pai foi à escola e depois de discutir com a professora disse: AGORA FIQUE SABENDO QUE A MINHA FILHA NUNCA MAIS CÁ VOLTA!!!

E é por isso, pela "burrice" destes dois "adultos" que Matilde, hoje com 70 anos, nunca aprendeu a ler nem a escrever. Isso, claro, nunca a impediu de fazer a sua vida e de ser uma das pessoas mais espertas e "desenrascadas" que eu conheço. Mas é pena, que pela insensibilidade duma professora e autoritarismo de um pai, aquela menina deixasse de ter acesso ao ensino da leitura e da escrita. Naquele tempo era assim.... E hoje? Claro que hoje (que tanto se apregoam os direitos das crianças) nem tudo é um mar de rosas, haverá (há) outros "assins" que também marcam pessoas, destruindo sonhos! (Esta é uma história verídica. Os nomes são fictícios)


Lido aqui.


Nota. Falando informalmente, burrice é teimosia; casmurrice.




 

quinta-feira, 22 de novembro de 2012

"O meu grande sonho é..."

Fonte: Eu sou português




Dicionário Priberam: Lixado. 6. [Informal] Que é difícil, complicado (ex.: esta dieta é lixada). = TRAMADO



Igreja de S. Nicolau, no Porto


Igreja de S. Nicolau (vista desde o pátio da Igreja de S. Francisco, do outro lado da rua), na cidade do Porto.

A fotografia é de Manuel Almeida.


quarta-feira, 21 de novembro de 2012

Custo do ensino público e do ensino privado



Estudo do Ministério da Educação e Ciência
Alunos do básico custam menos ao Estado no público do que no privado

20.11.2012 - Por Clara Viana

O custo médio por turma dos 2.º e 3.º ciclos do ensino básico é actualmente menor nas escolas públicas do que nos colégios que têm um contrato de associação com o Estado. Segundo dados divulgados esta terça-feira pelo Ministério da Educação e Ciência (MEC), o Estado paga em média 70.256 euros pelas turmas dos 2.º e 3.º ciclos das escolas públicas. A verba acordada para este ano com os colégios com contratos de associação é de 85.200 euros por turma. 

(A notícia do Público completa aqui)


Livros em chamas em Opernplatz - 1933

 Fonte da fotografia e do texto: Literatortura

No dia 10 de maio de 1933, em toda a Alemanha, estudantes simpatizantes do nazismo queimaram mais de 25.000 livros em praça pública. O intuito nazista era fazer uma “limpeza” na literatura. Tudo o que não condizia com os ideais do governo, ou que fosse de certa forma crítico, foi destruído.

Para saber mais, aqui.


Alunos da turma do 4º ano: Acham que esta é uma história antiga? Reparem no ano: 1933! E daí? Hoje em dia, não imaginam a quantidade de pessoas neste mundo que desejariam fazer a mesma coisa... Algumas dessas pessoas ficam-se pela proibição da leitura de alguns livros que os incomodam, digamos assim.


terça-feira, 20 de novembro de 2012

Livros na dieta?

Fonte: Armazém do Educador


Se fosse a falar com um tu, diríamos "Se queres crescer, inclui um livro na tua dieta". Como já sabem, o Professor concorda com o que aqui se diz... É verdade: Ler faz bem. Ah, ler por prazer!





segunda-feira, 19 de novembro de 2012

Salário vem de sal



Na aula da sexta-feira da turma do 4º ano apareceu a palavra salário. Ninguém sabia que esta palavra tem a sua origem na palavra sal. Saber é bom, vamos aprender.

A palavra salário (remuneração, normalmente em dinheiro, devida pelo empregador pelo serviço do empregado) tem como origem a utilização do sal, que na antiga Roma servia como pagamento de serviços prestados. (Numismatas)


Vamos ler o início de um artigo de Solange Sousa Mendes intitulado A evolução do dinheiro.

O dinheiro, tal como o conhecemos, é resultado de uma grande evolução. No início das civilizações, não havia moeda. As trocas de produtos e serviços eram pagas em géneros. Um pescador podia trocar uma das suas postas por uma maçaroca de milho de um agricultor.


As Amêndoas na Índia, Manteiga na Noruega, Sementes de Cacau no império Asteca ou o Sal na África do Norte, China e Mediterrâneo foram outros dos produtos que melhor serviram como dinheiro. Esta elementar forma de comércio ainda pode ser encontrada entre povos de economia primitiva, - em regiões onde, pelo se difícil acesso, os seus elementos efectuavam permutas de objectos,  sem se preocuparem com a equivalência em valor.

O sal é o produto que ficou para a história como o rei de todas as trocas. Foi ele que deu origem à palavra salário. Os soldados do Império romano recebiam o seu pagamento em sal, que era, então, trocado por alimentos, roupas, bebidas, etc. Este funcionava como a verdadeira moeda. Com o tempo, salarium passou a significar "soldo", "ordenado", "salário". 

Continua aqui.


sexta-feira, 16 de novembro de 2012

Diferente? Iguais?

Fonte: Literatortura



Uma citação de Oscar Niemeyer

Fonte da imagem: Humor inteligente


O grande arquiteto brasileiro Oscar Niemeyer já ca esteve em 2010, quando fez 103 anos (!) Pois. Ele nasceu em 1907. No próximo dia 15 de dezembro, ele completará 105 anos. Infelizmente, parece que agora anda com alguns problemas de saúde. Esperamos que ele recupere o mais cedo possível.

Por enquanto podemos ler estas palavras dele, que são para pensarmos um poco



Alguns dados biográficos, tirados da Wikipédia:

Oscar Ribeiro de Almeida de Niemeyer Soares (Rio de Janeiro, 15 de dezembro de 1907) é o arquiteto brasileiro de nome mais influente na Arquitetura Moderna. Foi pioneiro na exploração das possibilidades construtivas e plásticas do concreto armado [betão armado em Portugal], e por esse motivo teve grande fama nacional e internacional desde a decada de 1940.

Seus trabalhos mais conhecidos são os edifícios públicos que projetou para a cidade de Brasília, embora possua um grande corpo de trabalho desde sua graduação pela Escola Nacional de Belas Artes do Rio de Janeiro em 1934.


Congresso Nacional em Brasília


Edifício-sede da ONU em Nova York, projetado em 1947 por Oscar Niemeyer e o arquiteto francês Le Corbusier


quinta-feira, 15 de novembro de 2012

Proclamação da República no Brasil



A Proclamação da República no Brasil na Wikipédia.


Alegoria da República, quadro de Manuel Lopes Rodrigues
 pertencente ao acervo do Museu de Arte da Bahia


Um provérbio africano

 Mulher mucubal, Angola - Fotografia de Eric Lafforgue

Um provérbio africano com uma sabedoria de muitos séculos:

Uma mentira estraga mil verdades


quarta-feira, 14 de novembro de 2012

Greve


O Professor também.

greve
(francês grève)
s. f.
1. Interrupção voluntária e coletiva de atividades ou funções, por parte de trabalhadores ou estudantes, como forma de protesto ou de reivindicação.

greve de fome: recusa em ingerir qualquer alimento como forma de protesto ou de reivindicação.

greve geral: paralisação concertada de atividades a nível nacional, em protesto contra determinadas políticas governamentais ou institucionais.


(Dicionário Priberam)


Hoje em Portugal:






terça-feira, 13 de novembro de 2012

Estas conversas acontecem




Obrigado ao Javier por ter achado esta conversa e dar a conhecer.



O dinheiro da educação?

Fonte: Armazém do Educador

Isto tem a sua origem no Brasil, mas é evidente que pode ser aplicado, de certa maneira, ao nosso País, a Portugal, etc.

Nos labirintos, como os que vemos lá em cima,  perdem-se as pessoas, e as coisas também, perde-se tudo, mas no caso do dinheiro vai parar sempre aos mesmos lugares... É claro que neste caso não vai parar à escola (pública), não.



segunda-feira, 12 de novembro de 2012

Mais um desenho de Susana Carvalhinhos


A ilustradora portuguesa Susana Carvalhinhos vive em Lisboa e faz desenhos como este. Ela já tem estado neste blogue mais duas vezes. Vamos patinar? O frio já ca está!




sábado, 10 de novembro de 2012

Marvão - XXIX Festa do Castanheiro e Feira da Castanha



A castanha é o pretexto para um mês festivo em Marvão. A festa começa a 1 de novembro com a Quinzena Gastronómica da Castanha, durante a qual vários restaurantes do concelho incluem na ementa pratos típicos confecionados com aquele fruto.

Em simultâneo, a 10 e 11, ocorre a XXIX Festa do Castanheiro e Feira da Castanha.

(Guia do lazer do diário Público - Festas e Feiras)

Aqui a página da Câmara Municipal de Marvão.

Então, vamos comer hoje, ou amanhã, castanhas a Marvão?  Esta vila alentejana fica apenas a uns 100 km  de Badajoz. Este fim de semana é uma boa oportunidade  de a conhecer, ou de lá voltar, se já conhecem.




sexta-feira, 9 de novembro de 2012

Soneto da fidelidade (Vinícius de Moraes)



SONETO DA FIDELIDADE

De tudo, meu amor serei atento
Antes, e com tal zelo, e sempre, e tanto
Que mesmo em face do maior encanto
Dele se encante mais meu pensamento.

Quero vivê-lo em cada vão momento
E em seu louvor hei de espalhar meu canto
E rir meu riso e derramar meu pranto
Ao seu pesar ou seu contentamento.

E assim, quando mais tarde me procure
Quem sabe a morte, angústia de quem vive
Quem sabe a solidão, fim de quem ama

Eu possa me dizer do amor (que tive) :
Que não seja imortal, posto que é chama
Mas que seja infinito enquanto dure.


Vinícius de Moraes (Rio de Janeiro, 1913-1980) foi um diplomata, dramaturgo, jornalista, poeta e compositor brasileiro. Hoje vem aqui enquanto poeta. Outro dia será enquanto cantor que nos fará uma visita.

Podem comprovar no vídeo como a pronúncia do português do Brasil é diferente da do português de Portugal. Não faz mal, claro, é português também!


Vinícius visto por Osvalter



No outono caem as folhas das árvores

Fonte: Literatortura






quinta-feira, 8 de novembro de 2012

Os ativistas da preguiça (Andrício de Souza)

Fonte: Literatortura


Uma contradição? Parece que ativista não condiz, não fica bem com preguiça, mas ca estão estes quadradinhos de Andrício de Souza assim intitulados.

Vocês são ativistas da preguiça? Todo o contrário? Às vezes, se calhar? Conhecem alguém deste jeito?




quarta-feira, 7 de novembro de 2012

Poesia e humor



Paulo Leminski foi um escritor e poeta nascido na cidade de Curitiba, no estado do Paraná, no Brasil.

Pensem que nem sempre humor quer dizer exactamente rir às gargalhadas ("comicidade em geral; graça, jocosidade", Dicionário Houaiss), mas isto: "expressão irônica e engenhosamente elaborada da realidade; espírito". É humor que nos faz sorrir.

No fim de contas, o que Paulo Leminski cria nos seus versos é um paradoxo (em espanhol dizemos paradoja) que é uma aparente falta de nexo ou de lógica; uma contradição. O silêncio como obra completa de um autor, o nada (o nada, sim; esta palavra é masculina em português), que belo paradoxo!

Aqui jaz um grande poeta.
Nada deixou escrito.
Este silêncio, acredito,
são suas obras completas.

NB. Por curiosidade, o primeiro significado da palavra humor é este: "líquido secretado pelo corpo e que era tido como determinante das condições físicas e mentais do indivíduo [Na Antiguidade Clássica contavam-se quatro humores: sangue, bile amarela, fleuma ou pituíta e bile negra ou atrabílis.]". Vêem alguma ligação com o que eu disse  lá em cima?



(Fonte da imagem: Revista Bula)



terça-feira, 6 de novembro de 2012

Mais alegria


Mais uma fotografia com a etiqueta Alegria, que, aliás, é o titulo desta fotografia de Daida Suárez. Ela não é portuguesa, nem brasileira, nem angolana, nem... é espanhola, das Ilhas Canárias, muito perto de África. A alegría desta jovem faz-nos bem e é por isso que é publicada no blogue.

Alegria, seja bem-vinda sempre!



segunda-feira, 5 de novembro de 2012

O poder é 'il potere' em italiano



Este é o diretor de cinema italiano Pier Paolo Pasolini. As legendas em inglês traduzem as seguintes palavras dele em italiano:

Nulla è più anarchico del potere, il potere fa praticamente ciò che vuole.


Em português é assim:

Não há nada mais anárquico do que o poder, o poder faz praticamente o que quer.