Ouguela (Alentejo, Portugal) em baixo; Alburquerque (Badajoz, Espanha) ao fundo.

sexta-feira, 8 de maio de 2015

Tchekhov no blogue da Biblioteca Municipal da Marinha Grande



Por acaso dei com o blogue da Biblioteca Municipal da Marinha Grande, uma cidade portuguesa do distrito de Leiria. Nele li este breve texto de um dos maiores autores da literatura universal, o russo Anton Tchekhov.


Desavença Conjugal
(crónica de pequenos acontecimentos)


"- Que raio! Chega uma pessoa do escritório, esfomeada como um cão e tem para comer sabe Deus o quê! E ainda por cima não pode fazer a mínima observação! Se a isso se atreve, são logo jeremiadas e lágrimas. Maldita a hora em que me casei.
Dizendo estas frases, o marido atirou para o prato a colher, que tilintou, ergueu-se dum pulo e bateu com a porta, num gesto desesperado. A mulher desatou a chorar, escondeu a cara no guardanapo e saiu também. O almoço terminara.
Ele foi para o escritório, estendeu-se no sofá e encafuou o rosto na almofada.
"Foi o Diabo que me convenceu a casar", pensou. "É bonita a vida de família, não haja dúvida! Tão depressa me casei logo senti que já tinha vontade de me matar!"
Um quarto de hora depois, fez-se ouvir um passo leve no corredor.
"É sempre isto ... Ela ofendeu-me, insultou-me, e agora anda a rondar-me a porta, quer fazer as pazes ... Mas eu não quero. Prefiro enforcar-me."
A porta rangeu de leve, abriu-se e não tornou a fechar-se. Alguém entrara e dirigia-se para o sofá em passos silenciosos e tímidos. "Claro! Pede perdão, suplica, choraminga ... Para cá vens de carrinho! Não me arrancarás uma palavra ... Durmo, e não me apetece falar." Enterrou a cabeça na almofada e começou a ressonar baixinho. Mas os homens são tão fracos como as mulheres; exaltam-se com facilidade e facilmente se deixam engodar. Sentindo um corpo tépido nas costas, com um movimento obstinado chegou-se para o espaldar do sofá, retirando a perna.
"Pois, pois ... Está a preparar-se para se aninhar aqui e apertar-me para uma carícia ... Não tardará que me dê um beijo no ombro, que se ponha de joelhos. Não suporto essas denguices ... Contudo, tenho de lhe perdoar. É mau, no estado em que se encontra, contrariá-la por muito tempo. Vou só fazê-la sofrer um bocadinho, para a castigar, e depois perdoarei."
Um suspiro fundo roçou-lhe docemente a orelha, seguindo de outro, e, mais outro ... Ele sentiu no ombro o contacto de uns dedos.
"Bem, vou perdoar-lhe pela última vez. Está numa tortura, coitada! Tanto mais que não sou eu quem tem razão. Criei desnecessariamente um problema."
- Então, minha querida, que é isso?
Estendeu o braço para trás e enlaçou o corpo tépido.
- Ora esta!
Era a cadela, a sua cadela Diana, que estava deitada junto dele."

Anton Tchekhov