Ouguela (Alentejo, Portugal) em baixo; Alburquerque (Badajoz, Espanha) ao fundo.

quarta-feira, 10 de junho de 2015

A nova Ribeira das Naus em Lisboa



Às vezes ficam mensagens esquecidas na pasta dos rascunhos do blogue. Eis uma: a notícia tem quase um ano (13 de julho de 2014), mas acho que vale a pena vermos como mudou a Ribeira das Naus em Lisboa. Um espaço que os cidadaos ganharam:


Na nova Ribeira das Naus, Lisboa reencontra a sua história e o Tejo

Depois de removida “a camada de esquecimento e de destruição” que a cobria há várias décadas, a Ribeira das Naus, em Lisboa, quer afirmar-se como um espaço de reencontro, não só com o Tejo, mas também com a história da cidade. A Doca Seca está agora a descoberto, a Doca da Caldeirinha foi retomada e permite, através de um passadiço em madeira, a ligação ao Terreiro do Paço, e os relvados que evocam as rampas outrora usadas pelas embarcações atraem já centenas de pessoas. (...)

Deitados na rampa em pedra que vai descendo para o Tejo, ou até com os pés dentro de água, a fazer a pé ou de bicicleta o percurso entre o Terreiro do Paço e o Cais do Sodré, sentados ou mesmo deitados em fato de banho nos relvados existentes, centenas de portugueses e estrangeiros lá estiveram, demonstrando que agora este espaço à beira rio plantado é também seu.

Uma notícia do Público (13 de julho de 2014)