Ouguela (Alentejo, Portugal) em baixo; Alburquerque (Badajoz, Espanha) ao fundo.

quinta-feira, 28 de janeiro de 2016

Idioma (Ed Arruda)



Esta história serve para ilustrar como é importante na vida o ponto de vista. Reparem.


Ed Arruda é um velho amigo do nosso blogue.




Torre - Serra da Estrela: o ponto de maior altitude de Portugal Continental



A Torre é o ponto de maior altitude da Serra da Estrela e também de Portugal Continental, e o segundo mais elevado de Portugal (apenas a Montanha do Pico, nos Açores, tem maior altitude - 2351 m). Este ponto não é um cume característico de montanha, mas sim o ponto mais alto de uma serra. A Torre tem a característica incomum de ser um topo acessível por uma estrada pavimentada, no fim da qual há uma rotunda com um monumento simbólico da Torre existindo também um marco geodésico.

(...)

A real altitude desta área é de 1993 m, conforme acertos introduzidos por medições realizadas pelo Instituto Geográfico do Exército. Precisamente no ponto mais elevado foi construída a Torre, um marco geodésico que assinala o ponto mais elevado da Serra da Estrela.


(Wikipédia)

Em baixo podem ver a Montanha do Pico, que já foi publicado aqui no ano passado.


 O marco geodésico




A Montanha do Pico, a montanha mais alta de Portugal com os seus 2 351 m acima do nível médio do mar. Ilha do Pico vista da Fajã Grande, Calheta, ilha de São Jorge, Açores.

A fotografia é de I. Silveira




A Serra da Estrela no verão e no inverno


"O Verão é talvez a melhor altura do ano para conhecer a Serra da Estrela, as suas vilas e aldeia"






"Imagens da Serra da Estrela nas Penhas da Saúde durante o nevão de 29 e 30 de Novembro de 2010"





quarta-feira, 27 de janeiro de 2016

Excerto de um "Telejornal" da RTP1



"Excerto do "Telejornal" emitido em 9 de Maio de 2013 na RTP1. Inclui vinheta do canal, destaques, relógio, publicidade, indicativo e primeira notícia desenvolvida por João Adelino Faria. Este grafismo foi utilizado entre 19 de Setembro de 2011 e 12 de Julho de 2015.

Reparem na hora em que começa o Telejornal.

Quanto é que percebem dessa notícia sobre o desemprego?

Gostavam de dançar capoeira como eles?



Os capoeiristas são Olivier Cauzinille (Bicudinho) e Isaak Lartey do grupo Senzala de Santos. O que acham?





segunda-feira, 25 de janeiro de 2016

Que estranha criatura é esta?




É tudo questão de imaginação. Neste caso a de Vladimir Stankovic.



Em português, o que temos é uma mistura de lula (Loligo vulgaris) e de borboleta (Saturnia pavonia)




quinta-feira, 21 de janeiro de 2016

José Luís Peixoto lê os seus poemas em Badajoz



O escritor português José Luís Peixoto, que já esteve em março do ano passado na nossa cidade a apresentar o seu romance Galveias, leu hoje os seus poemas na Aula de Poesía Enrique Díez Canedo. Lá estiveram os vossos colegas mais velhos do "Bachillerato".




QUARTO

Os posters, colados com fita-cola,
arderam nas paredes. Os ursos de
peluche fecharam os braços e, por
quase nada, arderam sobre a cama.
Os cartões de estudante antigos, os
postais de férias e os três poemas
passados a limpo arderam dentro
da gaveta da mesinha-de-cabeceira.
Fiz dezasseis anos, chegou o verão e
os bombeiros não tiveram meios
técnicos e humanos suficientes.

José Luís Peixoto




Alunos do 3º ano. Destino: Serra da Estrela


Os alunos do 3º ano já sabem que temos datas para a nossa viagem à Serra da Estrela: partimos no dia 2 de fevereiro e voltamos no dia seguinte, depois de almoçarmos na Covilhã.

Onde é que nos vamos alojar? Na Pousada da Juventude das Penhas da Saúde: Podem clicar aí ou aqui

A Pousada de Penhas da Saúde encontra-se no cimo da montanha, a 1520 metros de altitude, em pleno Parque Natural da Serra da Estrela.

 Será que vamos ter neve ou não? Sei lá. Isso é lá que vamos ver.

Para a semana, vemos imagens da Serra da Estrela





Interior da Pousada




Mais "coisas que eu acreditava quando era criança"

Em Portugal: "o meu cão"









quarta-feira, 20 de janeiro de 2016

Ter de ou ter que?



Qual será a forma correcta?

a) Tenho que me ir embora.

b) Tenho de me ir embora.

Escolheu “tenho que”? Pois é, realmente ouve-se tantas vezes este erro que até o tomamos como certo. Mas a frase correcta, neste caso, é a da alínea b). Vejamos porquê:

Ter que usa-se no sentido de “ter algo para”. Usamos esta expressão quando antes do “que” podemos subentender as palavras “algo”, “coisa” ou “coisas.

Ter de serve para exprimir “dever”, “obrigação”, “desejo” ou “necessidade” em relação a alguma coisa. Assim, tomando o exemplo inicial, “tenho de me ir embora” significa que se tem necessidade ou se é obrigado a ir embora.

Vejamos mais alguns exemplos:

Tenho de estudar. = sou obrigado/ tenho necessidade de estudar

Tenho que estudar. = tenho muitas coisas para estudar

Tenho que comer. = tenho alimentos para comer.

Tenho de comer. = tenho necessidade, ou devo comer.



Retirado de Em português corre(c)to 




terça-feira, 19 de janeiro de 2016

Pasolini e os bens supérfluos



Ou como escreveu Pier Paolo Pasolini, o grande escritor, poeta e realizador de cinema italiano "I beni superflui rendono superflua la vita".


supérfluo
adjectivo
1. Que é de mais.
2. Desnecessário.
3. Inútil; sobejo.


À vossa idade, custa um bocado pensar nisto, não custa?





sexta-feira, 15 de janeiro de 2016

A carta que eu nunca te escrevi (Boss AC)



Boss AC já é conhecido de (quase) todos os alunos de português desta escola, não é?

Revejamos alguns tempos: Perfeito Simples, mas também Presente e Futuro. E vocabulário, claro.





terça-feira, 12 de janeiro de 2016

"Buon viaggio" para os alunos que vão a Roma




Dezoito dos vinte e nove alunos do 4º ano partem amanhã, quarta, para Roma. Desejo a todos eles e aos meus quatro colegas que os acompanham, uma boa viagem, ou como dizem os italianos, Buon viaggio.

Quando voltarem na próxima semana, espero que eles contem aos colegas que ficam em Badajoz como é que decorreu a viagem e o que viram e fizeram na Cidade Eterna. Em português, é claro...




segunda-feira, 11 de janeiro de 2016

Uma canção para a Lucia E.: Ai que pena



Uma canção da cantora portuguesa Mísia dedicada para a aluna Lucia E., e mais alguns colegas dela. Espero que não se esqueçam de como é que se diz em português esta interjeição. É bem fácil, não é? Ai, que pena!


AI QUE PENA

Só uma pena me assiste
E me alaga de tristeza
Não ser toalha de linho
A cobrir a tua mesa

Não ser o jarro de vinho
Não ser a fruta ou o pão
Nem ser o talher de prata
No calor da tua mão

Só uma pena me assiste
Que pena, que pena
Não ser o pão que tu comes
Que pena, que pena
Com esse trigo amassado
Mataria duas fomes
Ai que pena

Só uma pena me assiste
Que pena, que pena
Não ser convidado à mesa
Que pena, que pena
P'ra te encher de coisas doces
O prato da sobremesa
Ai que pena

As penas são os cristais
Desta ceia cintilante
Mesmo amando-te demais
Nunca o amor é bastante

Nunca se morre de fome
À mingua o amor resiste
Mordo com raiva o teu nome
Só esta pena me assiste.




Isto parece muito razoável, não é?




Tão razoável que assusta, mas...

Numa tentativa frenética de atingir a estabilização financeira, milhares de milhões de dólares foram injectados à pressa no sistema bancário internacional. Porque não será então possível fazer com que essas mesmas forças se responsabilizem pela pobreza mundial? 

Slavoj Žižek









sexta-feira, 8 de janeiro de 2016

Voltamos com José Saramago: Pensar e dizer não



E estas outras palavras são também do escritor português José Saramago:, Prémio Nobel da Literatura em 1998.


"A palavra mais importante é não, saber dizer não à injustiça, não à desigualdade"