Ouguela (Alentejo, Portugal) em baixo; Alburquerque (Badajoz, Espanha) ao fundo.

sexta-feira, 30 de março de 2012

Quem foi João Roiz de Castelo Branco?

 

A Escola de Castelo Branco com a qual vamos fazer um intercâmbio tem o nome de João Roiz de Castelo Branco. Quem foi João Ruiz? Leiam, leiam

João Ruiz de Castelo Branco foi um poeta português palaciano (século XV). Conservam-se algumas composições suas no Cancioneiro Geral de Garcia de Resende. Fez parte da corte do rei D. Afonso V (1432-1481), tendo ocupado o cargo de contador, na Guarda. Celebrizou-se pela cantiga «Partindo-se» ou «Senhora, partem tão tristes», de carácter amoroso.

(Resumo de dados de www.astormentas.com)

Este é o texto. Não encontro a versão de que mais gosto na internet, a do cantor alentejano Vitorino. Eu levo o meu disco para a sala de aula e escutamos a canção. Aliás, foi ele também que escreveu a música para os versos de João Ruiz de Castelo Branco.


Senhora, partem tão tristes
meus olhos por vós, meu bem,
que nunca tão tristes vistes
outros nenhuns por ninguém.

Tão tristes, tão saudosos,
tão doentes da partida,
tão cansados, tão chorosos,
da morte mais desejosos
cem mil vezes que da vida.
Partem tão tristes os tristes,
tão fora d' esperar bem,
que nunca tão tristes vistes
outros nenhuns por ninguém.


quinta-feira, 29 de março de 2012

O que é uma greve?


Esta palavra, greve, não se parece nada com a espanhola "huelga". Passou do francês para o português. Percebe-se logo o desenho, não é? As greves geralmente dão-se em situações muito graves, e é uma medida muito difícil para as pessoas afetadas, os trabalhadores.




Tradução do cartaz francês: "Viva a greve. Eles têm os lucros, engordam, poluem. Eles enganam-nos, exploram-nos, espoliam-nos. Eles não dão nada, cedem. A greve é uma ferramenta de defesa e de conquista. É um direito!"



quarta-feira, 28 de março de 2012

'Humor negro'?


A Wikipédia diz-nos que "O humor negro é um subgênero do humor que utiliza situações consideradas por muitos como de mau gosto ou politicamente incorretas, usualmente de natureza mórbida, para fazer rir ou divertir o público menos susceptível."

Parece que nestes tempos tão duros e difíceis para tantas pessoas, o humor negro é uma maneira de escapar um pouco desta situação, uma espécie de uma solução curativa.

Falta um pedacinho do desenho, mas não faz mal, porque podemos ler o que o Zé Povinho nos diz (um dia falaremos de quem é esta personagem e da sua importância na cultura portuguesa).

terça-feira, 27 de março de 2012

Os nomes das peças de xadrez


Para aqueles alunos que gostam de xadrez vai esta mensagem. Se queremos jogar xadrez, precisamos de um tabuleiro e de umas peças pretas e brancas chamadas assim:

Rei, Dama ou Rainha, Bispos, Cavalos, Torres Peões.

Para quem quiser saber mais, o artigo da Wikipédia sobre o xadrez.







segunda-feira, 26 de março de 2012

Sina (Henrique Fialho)



SINA 

A Joana queria que lhe lessem a sina. A quiromante pediu-lhe 8 euros. Por linha. A Joana não tem saldo para saber quanto a vida custa.

Henrique Fialho



Uma nota de vocabulário. Lemos no Dicionário Priberam o seguinte:

sina (latim signa, plural de signum, -i, sinal, marca) s. f.  (...) 2. Combinação de circunstâncias ou de acontecimentos da vida que se acredita serem inevitáveis. = DESTINO, FADO, SORTE.


sexta-feira, 23 de março de 2012

Castelo Branco na relva



O nome da população de Castelo Branco escrito na relva ao pé do brasão no centro da cidade.

Já falta pouco tempo para os nossos alunos que participam no intercâmbio com a EBI "João Roiz de Castelo Branco" passarem por aqui! No dia 16 de abril partimos de Badajoz.

Eles pertencem às turmas de 2º D, 2º C e 3º D.



sexta-feira, 16 de março de 2012

Brasão e bandeira de Castelo Branco


Este é o brasão da cidade de Castelo Branco. Em espanhol dizemos escudo ou escudo de armas, mas também temos uma palavra muito parecida com esta (blasón).

E em baixo, podemos ver a bandeira.




Fonte: a nossa clássica Wikipédia


quarta-feira, 14 de março de 2012

O dinheiro de S. Pedro (Guerra Junqueiro)

 
Uns versos escritos em 1885 pelo poeta português Guerra Junqueiro para o seu livro A Velhice do Padre Eterno.


O DINHEIRO DE S. PEDRO

De tal modo imitou o Papa a singeleza
Do mártir do Calvário,
Que à força de gastar os bens com a pobreza
Tornou-se milionário.

Tu hoje podes ver, ó filho de Maria,
O teu vigário humilde
Conversando na Bolsa em fundos da Turquia
Com o Barão Rothschild.

A cruz da redenção, que deu ao mundo a vida
Por te haver dado a morte,
Tem-na no seu bureau o padre-santo erguida
Sobre uma caixa-forte.

E toda essa riqueza imensa, acumulada
Por tantos financeiros,
O que é a economia, ó Deus! foi começada
Só com trinta dinheiros!



segunda-feira, 12 de março de 2012

Gibi e gibitecas



Gibi foi o título de uma revista brasileira de história em quadrinhos, cujo lançamento ocorreu em 1939. Graças a ela, no Brasil o termo gibi tornou-se sinônimo de "revista em quadrinhos" (banda desenhada, em Portugal). Na época, Gibi significava moleque, negrinho, porém, com o tempo a palavra passou a ser associada a revistas em quadrinhos e, desde então, virou uma espécie de "sinônimo".

(Fonte: Wikipédia)

É por isso que, assim como em Portugal há betedecas, bibliotecas de banda desenhada, no Brasil há gibitecas.








sexta-feira, 9 de março de 2012

Não se esqueçam do infinitivo pessoal



Lembrem-se de reler ou,  se calhar, seria melhor eu dizer que leiam e façam os exercícios desta mensagem: Para praticar o infinitivo pessoal.

Falta pouco para quarta-feira...Vai ser bom para vocês.

Reparem nas palavras do painel de azulejos, o que temos aí, depois da preposição para... Lá isso é: um infinitivo pessoal (embora com um pequeno erro; escreve-se poderem, como sabem).


O que tem a ver Castelo Branco com a China?

EBI João Roiz

A EBI João Roiz, com a qual a nossa Escola vai fazer um intercâmbio no mês de Abril, encontra-se na Av. Cidade de Zhuhai de Castelo Branco. Esta cidade portuguesa é geminada da cidade chinesa de Zhuhai (em espanhol diríamos que están hermanadas, sabem o que é isso?).






Por enquanto, vamos ver o que nos diz a Wikipédia sobre Zhuhai:


Zhuhai (chinês: 珠海; pinyin: Zhūhǎi; lit. "Mar de Pérola") é uma cidade chinesa com cerca de 1.332.000 habitantes (dados de 2004), localizada na província de Guangdong, no Sul da China e faz fronteira com a Região Administrativa Especial de Macau a Sul.

Zhuhai tornou-se uma cidade autónoma em 1979 e no ano seguinte tornou-se uma Zona Económica Especial.

A cidade é servida pelo Aeroporto Internacional de Zhuhai localizado no distrito municipal de Doumen. Em 1999, um mês antes da transição da soberania sobre Macau de Portugal para a China, foi inaugurada a Ponte Flor de Lótus para permitir escoar o trânsito entre Zhuhai e Macau.

Em Zhuhai localiza-se o autódromo Zhuhai International Circuit. O circuito atualmente recebe a etapa chinesa da A1 Grand Prix.

Zhuhai é geminada da cidade portuguesa de Castelo Branco e da cidade brasileira de Vitória.


E toda a gente sabe que Macau foi colónia portuguesa desde o século XVI até ao dia 19 de Dezembro de 1999.


quarta-feira, 7 de março de 2012

segunda-feira, 5 de março de 2012

Contextualizações temporais (Senhor Ricardo)



O ilustrador e diretor artístico português conhecido como Senhor Ricardo é o autor desta obra intitulada Contextualizações temporais

E até dá para rever alguns advérbios de tempo muito úteis, vejam lá. Só falta o depois de amanhã! Ah, e pensem um bocado nessas palavras: o dia de hoje, por exemplo, era amanhã ontem, domingo, não é?; mas amanhã, terça-feira, hoje será ontem. Estão a ver?




sexta-feira, 2 de março de 2012

Hoje, amanhã e depois (Nação Zumbi)


Nação Zumbi (antes conhecido como Chico Science & Nação Zumbi até 1997) é uma banda brasileira, nascida no início da década de 1990, em Recife, capital do estado de Pernambuco, a partir da união do Loustal, banda de rock pós-punk, com o bloco de samba-reggae Lamento Negro, e originalmente chamava-se "Chico Science & Nação Zumbi". O líder e vocalista da banda, o cantor e compositor Chico Science, fundou, junto com a banda Mundo Livre S/A, o movimento Manguebeat.


Hoje, amanhã e depois

Do começo ao fim
Quem vai ficar, quem vai ouvir, quem vai ver
O amanhã já sabe, vive-se hoje então
E de lá, sempre daqui pra o que foi
Aquele que esquece lembra tudo depois
E se antes do filme isso ainda começar
Um olho aceso dentro da escuridão
Deixado vivo e bem atento no chão
Na estica do dia dançando o furacão
Pagou e
Devendo ainda assim foi

Hoje correndo atrás do amanhã e depois
Uns play, outros pray e outros nem sei

Isso não tem fim

Outro endereço desse mesmo lugar
Acende a lembrança o agora já foi
De esquina pra esquina conhecendo o chão
Tudo isso andado pra quem já começou
E de lá, sempre daqui pra o depois
Já tenho o que quero pra chegar onde vou
Deixado vivo e bem atento no chão
Na estica do dia
Dançando o furacão
Pagou e
Devendo ainda assim foi

Isso não tem

Hoje correndo atras do amanhã e depois
Uns play, outros pray e outros nem sei




Castelo Branco tem rio?

O rio Zêzere entre Santarém e Castelo Branco

A cidade de Castelo Branco não é atravessada por nenhum rio, como a nossa cidade e o Guadiana, mas há vários rios no distrito.

Com o distrito totalmente integrado na bacia hidrográfica do rio Tejo, os principais rios são, além do próprio Tejo, afluentes deste rio ou afluentes dos afluentes. O destaque vai, naturalmente, para o Zêzere e para os seus afluentes, em especial o rio Paul, o rio Meimoa e a ribeira da Sertã. Outros rios relevantes são o rio da Ocreza, o rio Ponsul e o rio Erges, que serve de fronteira com Espanha ao longo de mais de 40 km. Todos estes rios fluem mais ou menos na mesma direcção, de nordeste para sudoeste, com excepção do Erges, cujo curso é predominantemente de norte para sul.

O rio Zêzere é um rio inteiramente português. Nasce na Serra da Estrela, a cerca de 1900 m de altitude, junto ao Cântaro Magro, onde define um vale glaciar. Seguindo para sudoeste, conflui com o rio Tejo a oeste de Constância, após um curso de cerca de 200 quilómetros.

O rio Zêzere é o segundo maior rio exclusivamente português, após o rio Mondego.

Zêzere. Um estranho nome cuja origem mais plausível estará na designação de uma modesta árvore de pequenas flores brancas e frutos negros que abundava nas suas margens, o azereiro, também conhecido por zenzereiro (EB1 de Janeiro de Cima).


(Fonte: Wikipédia)