Ouguela (Alentejo, Portugal) em baixo; Alburquerque (Badajoz, Espanha) ao fundo.

sexta-feira, 17 de dezembro de 2010

O lobisomem


A um monte da charneca, onde viviam pai, mãe e filha solteira, chegou certo dia um ganhão a pedir trabalho. Era homem novo e bem parecido, por quem logo a moça se sentiu presa: 

- Dê-lhe trabalho, senhor meu pai.
- A maltês que nem Deus sabe donde vem?
- Parece homem bom e serviçal. 

E tais foram os rogos da rapariga que o ganhão ficou no monte. Todos juntos, na roda do ano, trabalharam a terra, colheram o trigo e a azeitona, cortaram o mato, fizeram o queijo ... E à noite, sentados em volta do lar, com a tigela pousada nos joelhos, comiam em paz o pão do seu trabalho. 

Meses depois o maltês e a moça casaram. 

- Há na minha vida um segredo! - disse-lhe então o rapaz na noite da boda. - Todos os dias à meia-noite tenho de sair. Mas não te apoquentes mulher! Eu volto logo. Rogo-te pela nossa felicidade que nunca queiras desvendar o meu mistério. Juras? 

A moça jurou e deste modo iam vivendo felizes. 

Todas as noites, ao dar das doze badaladas, o maltês saltava da cama, abria a porta e perdia-se na escuridão. A moça pensava sempre em esperar pelo regresso do homem, mas logo vencida de sono, tão pesado como a morte, fechava as pálpebras e adormecia. Só ao romper da alva acordava muito juntinha e feliz abraçadinha ao marido. 

Jurara, mas sempre a dúvida daquele segredo lhe punha a alma em tormentos. 

E assim foram passando os dias e as semanas ... Ora, certa noite não resistiu à curiosidade. E quando sentiu o marido saltar da cama e sair de casa, enfiou a toda a pressa a sua saia vermelha e seguiu com o xale pela cabeça. Durante algum tempo, correu, correu na escuridão sem ver ninguém. Até que, de súbito, quando atravessava as ruas desertas de um povoado, ao voltar da primeira esquina, investiu contra ela um canzarrão, negro como breu. Ladrava, ladrava e arremetia, puxando e rasgando-lhe a saia vermelha. 

A moça, louca de pavor, fugiu com quantas pernas tinha e voltou a meter-se, encolhidinha, na cama. Como todas as noites, veio o sono pesado e adormeceu. Nem o medo - e era bem grande! - a deixou ficar acordada. De manhãzinha, já cantavam os galos e já por entre as telhas luzia o sol, a mulher acordou como sempre abraçada ao marido, mas desta vez a tremer no receio de haver quebrado o juramento. 

Mas o marido sorria ... 

E ela viu-lhe então, preso entre os dentes, um farrapinho vermelho da saia que o cão havia rasgado.

Aquele maltês que certo dia chegara ao monte, vindo nem Deus sabia donde, era, senhores, um lobisomem!



Sem comentários: