Ouguela (Alentejo, Portugal) em baixo; Alburquerque (Badajoz, Espanha) ao fundo.

segunda-feira, 14 de março de 2016

Naná Vasconcelos deixou de tocar o seu berimbau



Na semana passada morreu um grande percussionista brasileiro, Naná Vasconcelos. Ele tocou com os melhores músicos brasileiros e norte-americanos. Fica em baixo um duo com o guitarrista brasileiro Egberto Gismonti.

No jornal português Público, lemos: "Nascido no Recife, Pernambuco, no dia 2 de Agosto de 1944, Naná Vasconcelos tocava múltiplos instrumentos, do berimbau à queixada de burro. Durante a sua longa carreira, tocou ou gravou com músicos como Milton Nascimento, Caetano Veloso, Gilberto Gil, Egberto Gismonti, Joyce ou Marisa Monte, no Brasil, e com nomes como B.B. King, Paul Simon, Talking Heads, Nigel Kennedy ou gigantes do jazz como Miles Davis, Don Cherry, Pat Metheny, Art Blakey Jan Garbarek, Tony Williams, Gato Barbieri ou Jean-Luc Ponty, durante os anos que passou nos Estados Unidos e na Europa. Actuou várias vezes em Portugal, a solo ou acompanhando outros músicos."

Na Wikipédia lemos o seguinte: "Eleito oito vezes o melhor percussionista do mundo pela revista americana Down Beat e ganhador de oito prêmios Grammy, era considerado uma autoridade mundial em percussão"


Praça da Paz - Parque Ibirapuera - São Paulo



Na turma de 3º D há um aluno que sabe muito de percussão, o Juan José. Há dois anos, em dezembro de 2013, dediquei-lhe este post, no blogue Olá! Como estás?: "Batucada na Bahia para o Juan José"