Ouguela (Alentejo, Portugal) em baixo; Alburquerque (Badajoz, Espanha) ao fundo.

terça-feira, 30 de outubro de 2012

Para os alunos do 4º ano



Isto é para os alunos do 4º ano. Falando da situação da mulher nos anos sessenta, recuamos mais no tempo e tivemos de falar um pouco do Estado Novo. Assim, tão bonita, era a realidade de Portugal naquela altura.

Para que vocês compreendam melhor esta imagem, leiam o seguinte texto  (encontrado aqui):



Este cartaz reúne todos os princípios defendidos pela ideologia do Estado Novo: "Deus, Pátria e Família".

É na representação desta casa humilde, patriacal, cristã, tradicional, sem energia eléctrica, rústica, que, no fundo, observamos todos os elementos iconográficos da política salazarista.

Deus - Encontra-se representado pela figura do crucifixo ladeado pelos dois castiçais, no fundo o pequeno altar da família;

Pátria - Na janela aberta podemos observar um castelo, que nos remete para a história de Portugal, com uma bandeira içada ao vento;

Família - Estamos na presença de uma casa simples, arrumada, limpa e sem luxos (veja-se a mobília de madeira) A família é representada por um casal com os seus dois filhos. O Homem regressa a casa, depois de uma jornada de trabalho no campo, e é recebido pelos dois filhos. O rapaz, com o uniforme da Mocidade Portuguesa (provavelmente um Lusito), larga o livro, levanta-se e corre para o pai; a filha que brincava com uma pequena cama de bonecas e adereços de cozinha abre os braços de satisfação. A esposa/mãe olha para a porta e tem já o jantar pronto e a mesa posta para a refeição familiar.

Podemos ainda associar a esta imagem o fado de Amália Rodrigues, "Um Casa Portuguesa " que simboliza muito bem esta perspectiva salazarista.