Ouguela (Alentejo, Portugal) em baixo; Alburquerque (Badajoz, Espanha) ao fundo.

quinta-feira, 13 de fevereiro de 2014

Muito me tarda o meu amigo na Guarda (Amancio Prada)



Estes versos medievais cantados por um cantor espanhol estão dedicados à nossa amiga Catarina, que, como vocês sabem, é da Guarda.


Cantiga original: Ai eu coitada, como vivo em gram cuidado

Ai eu coitada, como vivo em gram cuidado
por meu amigo que hei alongado;
muito me tarda
o meu amigo na Guarda.

Ai eu coitada, como vivo em gram desejo
por meu amigo que tarda e nom vejo;
muito me tarda
o meu amigo na Guarda.






A Sé da Guarda num frio dia de inverno (1.056 m de altitude máxima)