Ouguela (Alentejo, Portugal) em baixo; Alburquerque (Badajoz, Espanha) ao fundo.

quinta-feira, 11 de fevereiro de 2016

Resumo da viagem de 3º ESO à Serra da Estrela (I)

Subindo de autocarro até à cidade da Covilhã pela rua do seu herói


O grupo de 43 alunos de Português do 3º ano da ESO (turmas BC e D) e 3 professores (Ara, Pedro e Daniel) partiu de Badajoz às sete e dez da manhã e chegou à Pousada da Juventude "Penhas da Saúde", na Covilhã, no Distrito de Castelo Branco, por volta das 11:30 (hora espanhola), 10:30 hora portuguesa, pois. O núcleo urbano da Covilhã, que tem uns 36 000 habitantes, estende-se entre os 450 e os 800 m de altitude.Vejam só!




Da cidade até a Pousada há uma íngreme encosta que o nosso motorista percorreu com muito cuidado. Enquanto assinávamos a papelada, os alunos esperavam lá fora a conversar ao sol. Estava muito pouco frio, apesar dos 1 500 m de altitude. Reparem quanto foi o que subimos até lá chegar! Daí até a Torre, 1 993 m, há 9 km.





Fizemos a distribuição dos quartos entre alunos e alunas. Cada quarto tinha 4 beliches. Todos eles desfizeram as malas e fizeram as camas. As instalações da Pousada eram ótimas. A Sala de jantar/estar, a Sala de convívio e a Sala de jogos (será que todos aqueles que jogaram “al futbolín” aprenderam que em português se diz jogar aos matraquilhos?), os balneários…



Almoçámos todos enquanto chegava a hora de partida para a caminhada pela Serra, fixada às 13:30 (hora portuguesa, como sempre a partir de agora). Desde a Pousada, a 1 500 m de altitude, como já disse, até ao ponto de partida, a 1 600 m, fomos de autocarro. Antes de começarmos a caminhar, um dos guias forneceu-nos alguns dados sobre a Serra da Estrela, entre eles, que é nela que se encontra o ponto mais elevado de Portugal Continental –reparem, Portugal Continental– com 1 993 m, pois é nos Açores que fica a Montanha do Pico com os seus 2 351 m. Os guias pertenciam à empresa Estrela Azul, que colabora com a Associação Caminheiros Rosa Negra, e ofereceram-nos afinal uns folhetos e mapas da Serra.

A caminhada, que durou umas três horas e meia, se não me engano, foi a bom ritmo, não foi? Pena não haver neve. É claro que teria sido mais difícil e dura, mas também mais espetacular, não acham? Os guias disseram-nos que esperavam neve para o Carnaval, mas nós já não estaríamos lá. Se calhar, para outra vez.















Depois da caminhada, tomar um duche e descansar foi o melhor que pudemos fazer todos antes da hora de jantar. Para terminar o dia, a Professora Ara tinha preparado uma surpresa para o Daniel, o Professor de Música: “No me compares”, uma canção do cantor espanhol Alejandro Sanz, cantada nesta língua e em português com a cantora brasileira Ivete Sangalo e Alejandro Sanz: “Não me compares” (publicamos noutra mensagem), que foi interpretada pelos alunos da turma de 3º BC. O Javier, de 3º D, tocou a viola e houve muitos alunos a cantar.






A cantoria só terminou com o toque de recolher: meia-noite, se bem para nós já era uma da manhã!


O dia seguinte, quarta-feira, 4, fica para a próxima mensagem.