Ouguela (Alentejo, Portugal) em baixo; Alburquerque (Badajoz, Espanha) ao fundo.

terça-feira, 25 de outubro de 2011

O Minho é um rio!!!

Portugal à esquerda, Espanha no primeiro plano, e no meio o rio Minho
(Fotografia de Josu Orbe)


Volto a publicar esta mensagem porque, parece mentira, mas ainda há alunos que pensam que minho é o possessivo masculino da primeira pessoa (se é minha o feminino, deduzem que "minho" é o masculino!). E há uma bonita e fácil regra mnemónica para não fazer essa confusão: O Minho é um rio! (e mais nada).


Pois é, lembrem-se disto: o Minho é um rio e não é um possessivo (nunca se diz "O minho pai", "O minho amigo João"...). Na fotografia podem ver, do Monte de Santa Tecla, na província de Pontevedra, o rio Minho a desembocar no oceano Atlântico. A terra e a praia que se vêem à esquerda ... é Portugal, claro.

O Minho (em espanhol e em galego: Miño), é um rio internacional que nasce a uma altitude de 750 m na serra de Meira, na Comunidade Autónoma espanhola da Galiza e percorre cerca de 300 km até desaguar no oceano Atlântico a sul de A Guarda (Pontevedra) e a norte de Caminha. Nos últimos 75 km do seu percurso, entre Melgaço e a foz (= la desembocadura), o Minho serve de fronteira entre Portugal e Espanha.

Voltando aos possessivos, recordamos que os possessivos de um só possuidor apresentam, em português, uma diferença importante quando comparados com o espanhol: além de terem o artigo à frente (O meu lápis é bom. A tua irmã é muito alta. O seu carro é novo), o género concorda com o género do substantivo. Por exemplo: o meu amigo/a minha amiga, o teu caderno/a tua bicicleta, o seu irmão/a sua irmã.